Na Alemanha, começa a estar na moda sepultar os mortos no mato, junto às árvores. Depois de um ecofascista espanhol ter sugerido que os mortos deveriam ser entregues às aves de rapina para serem devorados, já nada me admira nesta Europa.
A ideia (expressa neste artigo) de uma putativa “origem cristã” desta prática de sepultura dos mortos, é falsa; não faz parte da tradição judaico-cristã. Em vez disso, tem nitidamente origem pagã, assim como teve origem pagã o movimento ecofascista Wandervögel que surgiu em princípios do século XX na Alemanha, e que foi importante para a implantação do partido nazi a partir dos anos 20.
Na linha dos Wandervögel — que também defendiam o enterro dos mortos nas florestas — está o pensamento de Heidegger na sua relação com a natureza; e como sabemos, Heidegger foi um oficial nazi.