sexta-feira, 4 de maio de 2012

A ética e a moral não podem ser definidas ou determinadas pela ciência

A ética e a moral não podem ser definidas ou determinadas pela ciência


by O. Braga

[este verbete é dedicado aos leitores do blogue Rerum Natura]



A ética e a moral não podem ser definidas ou determinadas pela ciência.



A ideia de "responsabilidade moral" reside na experiência subjectiva, enquanto que a ciência só concebe acções determinadas pelas leis da natureza, e não concebe autonomia, nem sujeito, nem consciência e nem responsabilidade. A noção de “responsabilidade” é não-científica. A ética e a moral pertencem ao domínio da metafísica que se caracteriza pela falta de “bases objectivas” — aqui entendidas no sentido naturalista [naturalismo ≡ cientifismo metodológico].



Para tentar contornar esta realidade objectiva e insofismável que consiste no facto de a ciência não poder determinar a ética, a ciência transformou-se, ela própria, em uma forma de metafísica pura, para assim poder obter a legitimidade para opinar sobre a ética e sobre a moral. É assim que surgem as “teorias científicas” não refutáveis na sua essência, como por exemplo, a teoria do Multiverso, ou as teorias evolucionistas em geral [por exemplo, a teoria do epifenomenalismo de Thomas Huxley, que ainda hoje subsiste entre os darwinistas, evolucionistas e naturalistas].



Entrando pela metafísica adentro, a ciência — feita por cientistas que são, eles próprios, sujeitos — pretendeu redefinir a ética e a moral segundo princípios deterministas que “varriam” o sujeito, e estabelecendo apenas determinações, leis e estruturas [estruturalismo]. Neste sentido, a ciência pretende ser uma espécie de nova religião [imanente e política], cuja classe dos novos sacerdotes é composta principalmente pela classe dos cientistas.



É este o fundamento do declínio da civilização ocidental e para o qual a própria comunidade científica contribuiu de forma activa [a "traição dos intelectuais"]:



Este naturalismo errado devassou a cultura intelectual do século XX, mas é no dealbar do século XXI que nos deparamos com o auge da “doença da ciência” na cultura antropológica [a criação massiva de zômbis em circulação na nossa sociedade]. Estamos em presença da “traição dos intelectuais” [segundo o conceito de Julien Benda]. Quando o naturalismo [ou cientifismo metodológico] foi erroneamente aplicado ao sujeito [humano], seja por exemplo por Durkheim ou por Freud, iniciou-se todo um processo de degradação humana através da degradação da ética e da moral na sociedade ocidental.



Na medida em que 1) o cientista deve procurar a objectividade; 2) em que a objectividade requer um despojamento de valores; 3) e em que o cientista é um sujeito [um ser humano] e a comunidade científica é composta por seres humanos [sujeitos] — a ciência [e sobretudo as ciências sociais] só muito raramente consegue libertar-se das valorações [éticas] da sua própria camada social, de modo a poder estabelecer uma independência valorativa e objectiva.



Em consequência, surgiu no século XX um fenómeno massivo de “liquidação do sujeito”, imposto por uma elite cientificista e neognóstica [gnosticismo moderno: ver Eric Voegelin], e que se traduziu na emergência das religiões políticas totalitárias [por exemplo, o eugenismo característico dos “progressistas”, evolucionistas e socialistas; o nazismo e o comunismo]. Este processo neognóstico e cientificista de “liquidação do sujeito” levou a uma dissociação mental extrema entre a comunidade científica, e a uma inversão da moral [ver Olavo de Carvalho].



O marxismo é um exemplo dessa dissociação mental extrema e da inversão da moral: por um lado, liquida a ética e a moral [e também toda a filosofia], classificando-a de “subjectiva” e idealista, ao mesmo tempo que denuncia os tabus tradicionais e históricos; e por outro lado, entrega-se a um excesso ético [por exemplo, o puritanismo de Francisco Louçã] que denuncia toda a oposição e crítica como um embuste, e estabelecendo simultaneamente novos tabus contrapostos aos tabus tradicionais [por exemplo, a substituição do tabu do aborto pelo novo tabu que proíbe as corridas de touros]. O marxismo — que se diz, dele próprio, científico — faz a crítica da moral tradicional de uma forma extremamente moralizante, mas moralmente invertida e contra-natura.

 
O. Braga

Domingo, 29 Abril 2012 at 8:19 pm
Tags: Moral
Categorias: ética
URL: http://wp.me/p2jQx-bin 
 

Divulgação:
http://cultura-calvinista.blogspot.com/
http://metodologiadoestudo.blogspot.com/
http://direitoreformacional.blogspot.com/
http://biologiareformacional.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário