quarta-feira, 19 de novembro de 2014

26 catedráticos espanhóis: o “ateísmo científico” não tem base na ciência

26 catedráticos espanhóis: o “ateísmo científico” não tem base na ciência



Luis Dufaur
Portada 60 preguntas razon y fe 01Vinte e seis professores catedráticos de diversas áreas da Ciência, que lecionam ou trabalham em 14 universidades espanholas, publicaram um livro para rebater a suposta incompatibilidade entre a Religião e a Ciência, espalhada por alguns “cientistas materialistas”, informou a agênciaInfocatólica

O livro veio à luz uma semana após o cientista Stephen Hawking defender que não acredita em Deus, nem na sua existência, e nem mesmo numa necessidade matemática de um Deus criador do universo, como afirmava outrora. 

A declaração de Hawking teve certa repercussão, pois ele ganhou notoriedade sustentando uma espécie de necessidade da existência de Deus derivada das equações do Universo.

A hipótese de Hawking era digna de consideração. E foi muito bem recebida nos ambientes mais científicos, menos defensores da fé e do catolicismo. Agora, porém, Hawking decepcionou a todos eles.

Entre os autores do novo livro que põem as coisas em seu lugar, encontra-se o Prof. David Jou, catedrático de Física da Matéria Condensada na Universidade de Barcelona. 

Aliás, ele é tradutor para o espanhol da obra de Hawking, tendo prefaciado todas as obras publicadas até hoje pelo cientista que agora adotou o ateísmo. 

O livro “60 preguntas sobre ciencia y fe respondidas por 26 profesores de universidad” (“60 perguntas sobre ciência e fé respondidas por 26 professores universitários”) foi editado pela Editorial Stella Maris. 

Os especialistas espanhóis sustentam que o conhecimento científico atual fornece dados que “analisados sem interpretações materialistas e ateias”, não são “de maneira alguma incompatíveis com a doutrina cristã”.
Ciencia e fe
Para estes cientistas, “foram construídas com a ciência ideologias que vão muito além do que o dado empírico permite”.
“No transcurso da segunda metade do século XX e até o dia de hoje, temos podido comprovar em diversos campos – sobretudo nos relacionados com a cosmologia, e particularmente com as peculiaridades das leis da natureza – que o aumento da compreensão da estrutura do mundo, e não seu desconhecimento, fornece fundamento a linhas de pensamento que fazem uma ponte que vai da ciência até a teologia”, escrevem.

Segundo os autores, “pode-se afirmar que o cenário positivista que proclama a morte da religião como fruto da ciência não se cumpriu, e nem tem aparências de vir a se cumprir. Isto não é por uma casualidade, nem porque os cientistas ainda não perceberam como é que devem pensar”, mas porque “é errado supor que os pontos de partida do pensamento religioso radicam no desconhecimento da ciência”.
Em mais de 400 páginas, o livro refuta as principais dúvidas que o ateísmo montou contra a religião a partir de uma pretensa evidência científica.
Neurociências, biologia, cosmologia, estatísticas ou física quântica, entre outras, são matérias que especialistas analisam ponto por ponto para defender uma posição legítima.

Outros autores do livro são:
Manuel Alfonseca, professor catedrático de Linguagens e Sistemas Informáticos da Universidade Autónoma de Madri;
Ignacio Sols, catedrático emérito de Álgebra da Universidade Complutense;
Francisco J. Soler Gil, que ensina Lógica e Filosofia da Ciência nas universidades de Bremen e Sevilha;
Aquilino Polaino, catedrático de Psicopatologia na Universidade CEU-San Pablo;
Julio Gonzalo, catedrático de Física de Materiais da Universidade Autónoma de Madrid;
Nicolás Jouve de la Barrera, catedrático de Genética na Universidade de Alcalá; e
Ignacio García-Jurado, catedrático de Estatística e Investigação Operativa da Universidade de La Coruña.

Fonte: http://ipco.org.br/ipco/noticias/ateismo-cientifico-nao-tem-base-na-ciencia#.VGzvi_nF_SE


domingo, 27 de julho de 2014

Dois milhões de cientistas americanos são evangélicos

Dois milhões de cientistas americanos são evangélicos

A mídia costuma apresentar cientistas e religiosos como incapazes de ter uma coexistência pacífica. Mas os resultados de uma recente pesquisa apresentam um quadro diferente. 



Entre os 12 milhões de cientistas dos EUA, aproximadamente dois milhões se identificam como evangélicos. A pesquisa foi realizada pela socióloga Elaine Howard Ecklund e seus colegas na Rice University, em parceria com a Associação Americana para o Avanço da Ciência. O estudo mostrou também que os cientistas evangélicos são mais ativos em sua fé que os evangélicos norte-americanos em geral. Eles são mais propensos a se considerar muito religiosos, a participar de reuniões religiosas semanalmente e a ler textos religiosos com regularidade.

A mídia muitas vezes retrata cientistas e cristãos como incapaz de coexistência pacífica. Mas os resultados de uma pesquisa recente sugerem que os dois não são tão incompatíveis como se poderia pensar. Na verdade, mais de 2 milhões de quase 12 milhões de cientistas são cristãos evangélicos. Se você fosse para trazer todos os cientistas evangélicos juntos, eles poderiam preencher a cidade de Houston, Texas.

A Socióloga Elaine Howard Ecklund e seus colegas da Universidade Rice e da Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS) relatou resultados do maior estudo de pontos de vista americano sobre ciência e religião na conferência anual da associação em Chicago no domingo 16 de fevereiro. Mais de 10.000 pessoas, incluindo 574 cientistas auto-identificados como, responderam à pesquisa de 75 perguntas. Entre os cientistas, 17 por cento disse que o termo "evangélico", descreve-los "um pouco" ou "muito bem", em comparação com 23 por cento de todos os entrevistados.

Religião         % Todos os entrevistados          Cientistas%

Evangélicos             22,9                                       17,1
Protestantes            26,9                                       24,9
Católicos                  23,8                                       19,1
Judeus                       1.9                                          3,9
Mórmons                    1.8                                         1.7

Muçulmanos,
hindus,
budistas,
sikhs,
jainistas                       2.6                                         7.2

Ateus/agnóstico        15,5                                      24,4
Something Else          4.7                                         1.7


Ecklund se interessou em estudar a percepção da ciência das pessoas religiosas depois de uma conversa numa manhã de domingo em uma igreja em Upstate New York. Ela estava freqüentando a igreja, como parte de um estudo de pesquisa que estava realizando para sua tese de mestrado sobre religião e vida familiar. Ao saber Ecklund frequentou a Universidade de Cornell, uma mulher disse que ela esperava que sua filha não decidisse ir para lá.

E por que não?

"Ela disse: 'Eu tenho muito medo de que, quando ela for para o campus, ela terá aulas de ciências", e os cientistas ateus vão convencê-la a abandonar sua fé,” - Ecklund lembrou.

Naquele momento, Ecklund decidiu que em algum momento de sua carreira, ela iria realizar um grande estudo para determinar se este ponto de vista é típico dos evangélicos e se os membros de outros grupos religiosos se sentem da mesma maneira.

Este não é seu primeiro estudo sobre a percepção da ciência e da religião das pessoas. Em seu livro de 2010 Ciência vs Religião: O que os cientistas realmente Acreditam, Ecklund pesquisou 1.700 cientistas naturais e sociais em universidades de topo e descobriu que apenas cerca de dois por cento identificam como evangélicos.

Esta nova pesquisa, por outro lado, com foco na "classificação e arquivo" cientistas, incluindo os cuidados de saúde, ciências da vida, computadores e engenharia.

Além de identidade religiosa, a nova pesquisa focada na percepção que as pessoas têm sobre a ciência e a religião. Sobre o mesmo número de pessoas no público em geral perceber a hostilidade por pessoas religiosas em relação à ciência como perceber a hostilidade pelos cientistas em relação à religião, cerca de 1 em 5. Mas entre os cientistas evangélicos, a maioria forte (57 por cento) percebe a hostilidade dos cientistas em relação à religião, o que pode sugerir cristãos em campos científicos têm experiências negativas com colegas cientistas no local de trabalho em relação à sua fé.

A pesquisa também descobriu que os cientistas evangélicos são mais ativos em sua fé que os evangélicos americanos em geral. Eles são mais propensos a considerar-se muito religioso, para assistir aos serviços religiosos semanalmente, e para ler textos religiosos, pelo menos a cada semana.


 (Leia o original em Christianity Today)


Fonte: http://teologiaescatologica.blogspot.com.br/2014/07/dois-milhoes-de-cientistas-americanos.html

sábado, 12 de julho de 2014

Como trabalham os cientistas?

Como trabalham os cientistas?

sábado, julho 12, 2014

JC e-mail 4987, de 11 de julho de 2014


Artigo é publicado na Revista Ciência & Educação, da Faculdade de Ciências da Unesp

O artigo COMO TRABALHAM OS CIENTISTAS?" POTENCIALIDADES DE UMA ATIVIDADE DE ESCRITA PARA A DISCUSSÃO ACERCA DA NATUREZA DA CIÊNCIA NAS AULAS DE CIÊNCIAS, de Cláudia Faria (cbfaria@ie.ul.pt), Sofia Freire, Cecília Galvão, Pedro Reis e Orlando Figueiredo, da Universidade de Lisboa, foi publicado na revista Ciência & Educação, da Faculdade de Ciências da Unesp de Bauru.

Parte deste estudo foi financiado pela Comissão Europeia (6º FWP), como sendo parte de um projeto Europeu Popularity and Relevance of Science Education for Scientific Literacy (PARSEL).

Vários estudos em educação têm salientado a natureza da ciência como sendo uma componente importante da educação em ciência.Neste trabalho, é apresentada uma atividade de escrita e discussão de histórias imaginadas sobre cientistas, e são discutidas as suas potencialidades para a exploração das ideias dos alunos sobre a atividade científica.

Os dados foram recolhidos através de entrevistas com professores e alunos.

Foi também efetuada a análise de documentos escritos e a observação das sessões de discussão.

Os resultados revelaram a presença, nos alunos, de ideias inadequadas acerca do que é a atividade científica.

Revelaram, também, dificuldades por parte dos professores na gestão da discussão e no confronto dessas ideias, que dificultam a compreensão acerca da natureza do conhecimento científico.

É sugerido que esta atividade possa ser enriquecida pela sua integração num contexto real, que facilite o estabelecimento de conexões com o trabalho de cientistas reais.


(Unesp Agência de Notícias)

Fonte via:

domingo, 6 de julho de 2014

(Vídeo) - Acorda!!! Não Seja um Idiota Útil. Compreendendo a Agenda Comunista nos EUA, no Brasil e no Mundo.

(Vídeo) - Acorda!!! Não Seja um Idiota Útil. Compreendendo a Agenda Comunista nos EUA, no Brasil e no Mundo.

Clique no link abaixo para acessar o vídeo:
http://historiareformacional.blogspot.com.br/2014/07/video-acorda-compreendendo-agenda.html 

sábado, 5 de julho de 2014

Condenamos os Professores Petistas, Socialistas, Esquerdistas e Marxistas pelo apoio ao Culto Satanista na UFF

Culto satanista na UFF apoiado por professores

Luis Dufaur
Professores e alunos da Universidade Federal Fluminense (UFF) protagonizaram uma “festa demoníaca” com caraterísticas de culto, na unidade de Rio das Ostras, RJ. 

Satanás foi reverenciado representado por um crânio humano, com rituais satânicos, orgias sexuais, drogas e palavras de ordens ligadas ao feminismo.

O encontro diabólico de obsceno nome foi apresentado como “Festa de confraternização do Seminário Corpo e Resistência e – 2° Seminário de Investigação & Criação do Grupo de Pesquisas/CNPq Cultura e Cidade Contemporânea”.

Segundo o jornal “O Povo”, as fotografias da “festa” postadas em redes sociais mostram cenas que parecem extraídas de um filme de terror: mulheres nuas se cortando umas às outras, como prescrevem os rituais satânicos, e com muita bebida e droga no entorno.
Segundo um aluno citado pelo Portal G1 (Região dos Lagos), “a festa ocorreu ao lado do prédio novo chamado multiuso. O diretor do polo permitiu o armazenamento de bebidas dentro da universidade. O uso de drogas é praticamente liberado. Precisamos de uma intervenção urgente”, disse. A testemunha não quis se identificar, temendo represálias.

A página da festa satânica no Facebook defende com linguagem soez e incongruente que “o diabo precisa deixar de ser demonizado”. A página foi publicada no perfil Jokasta Bom Peixoto. 

O blog ‘Faca na Caveira’ reproduz declaração de uma pessoa que se identifica como professora visitante da UERJ e que agradece à organizadora da festa pelo “acontecimento estético”.

O site Cantares.net menciona a foto de uma mulher com sua genitália costurada, e diz que o crânio humano foi usado num ritual de magia negra. 

Nas fotos, os jovens nus que sofreram cortes em suas partes pudendas se exibem, excitados e sujos de sangue.

O reitor da UFF, Roberto Salles, informou à G1 que foi aberta uma sindicância, e que proibiu os diretores do polo de se pronunciarem sobre as festas que acontecem na instituição. 

Porém, o colegiado do curso de Produção Cultural da Universidade Federal Fluminense emitiu uma nota pública de apoio aos envolvidos no evento satanista.
"Saturno devorando a su hijo", Francisco de Goya (1746 -1828) A era do laicismo tende a legalizar costumes pagãos que causam horror.
“Saturno devorando a su hijo”, Francisco de Goya (1746 -1828)
A era do laicismo tende a legalizar costumes pagãos que causam horror.
Portal G1 reproduziu a íntegra dessa nota, que qualifica o ato sadomasoquista de “confraternização”.
“Causa-nos espanto o grau de estranheza e criminalização com o qual tanto a performance da artista Raissa Vitral, quanto a própria universidade foram tratadas nos últimos dias”, diz.
“Queremos aqui repudiar a forma como alunos e professores do Pólo Universitário de Rio das Ostras vêm sendo tratados nestes dias. … é inadmissível qualquer tratamento que coloque em suspenso a liberdade de expressão, de pensamento, de manifestação artístico-cultural, dentre outros direitos fundamentais garantidos pela Constituição, de nossos alunos, professores e demais funcionários”.
Desta maneira, as práticas satânicas vão sendo reivindicadas como constitucionais em pleno auge de laicismo anticristão. 

Poderá não tardar o dia em que “ministros” de alguma “igreja de Satanás” participem ostensivamente de sessões ecumênicas e também que seja apresentado algum projeto de lei “antissatanofóbico”.

Fonte: http://ipco.org.br/ipco/noticias/culto-satanista-na-uff-apoiado-por-professores#.U7hb3PldWyk

segunda-feira, 30 de junho de 2014

(Vídeo) - Feminismo é uma Doença Mental. Feminista funcional mostra que Lyle Rossiter está correto ao tratar o esquerdismo como doença mental

(Vídeo) - Feminismo é uma Doença Mental. Feminista funcional mostra que Lyle Rossiter está correto ao tratar o esquerdismo como doença mental 

Clique no link abaixo para acessar: 

http://generoediversidadenaescola.blogspot.com.br/2014/06/video-feminismo-e-uma-doenca-mental.html

domingo, 29 de junho de 2014

Sugestão de leitura: O Verdadeiro Che Guevara - e os idiotas úteis que o idolatram - Acompanha um DVD com o documentário: "GUEVARA: anatomia de um mito" by Humberto Fontova (Jornalista, cientista político e mestre em estudos latino-americanos pela Universidade de Tulane e fugitivo de Cuba)

Sugestão de leitura: O Verdadeiro Che Guevara - e os idiotas úteis que o idolatram - Acompanha um DVD com o documentário: "GUEVARA: anatomia de um mito" by Humberto Fontova (Jornalista, cientista político e mestre em estudos latino-americanos pela Universidade de Tulane e fugitivo de Cuba)

Clique no link abaixo para acessar maiores informações:
http://historiareformacional.blogspot.com.br/2014/06/sugestao-de-leitura-o-verdadeiro-che.html